sábado, 26 de novembro de 2011

O Amor Incondicional na Prática - Relacionamentos








Esses dias um amigo meu – que eu acho que não é necessário citar seu nome, mas é um cara muito honesto nos seus questionamentos – me perguntou sobre o que eu queria realmente transmitir com uma mensagem de Amor. Ele queria saber se eu realmente acreditava nisso ou se era alguma maneira de promover outras coisas através desta mensagem como por exemplo: promover a mim mesmo, e demais coisas do meu interesse – trabalhos, músicas, shows.. enfim.

Respondi a ele que não havia muito o que eu pudesse dizer para provar o quanto eu acredito no Amor. Eu tinha minha palavra somente, a minha crença sincera que eu tentei transmitir…

Apesar de manter minha crença intacta, de alguma forma aquele questionamento honesto do meu amigo me chamou atenção para algo muito importante dentro do intrincado paradoxo do Amor na Terra. Seria uma reflexão neste sentido:

Quando eu falo de Amor, da maneira como eu quero falar, apresentar e demonstrá-lo essencialmente, eu, necessariamente, acabo me tornando o parâmetro do que falo, o exemplo, o paradigma, o filho do meu próprio discurso…
Nessa posição o meu discurso é posto em cheque, em relação aos outros, mas, principalmente, em relação à própria crença e ideologia que eu tento sustentar, pois o meu comportamento passa a ser observado como ilustração do que pode vir a ser o Amor Incondicional; como ele funciona em um ser e nos seus respectivos relacionamentos, enfim, como é o ser sob esse novo paradigma do Amor Incondicional.

Pois bem, isso faz sentido – se alguém é capaz de imaginar, entender, compreender e conceber algo, empiricamente; e depois julga-se na posição de um conhecedor daquilo a ponto de tentar passar uma idéia clara, que visa o esclarecimento do Amor, esse alguém deveria, supostamente, manifestar esse conhecimento, pois tem a propriedade da essência daquilo que fala.  Deu pra sacar?

Sim. O que acontece é que somos todos humanos – no silogismo básico ai galera – humanos são imperfeitos né? São, isso é fato. Eu sou um ser humano? A princípio sim, eu sou. Portanto sou também imperfeito.  Tudo OK.

Nós entramos agora no paradoxo do Ser Humano meus caríssimos amigos. Nós somos duais nesta encarnação – funcionamos como um computador: o nosso software percebe a realidade assim como o computador reconhece o código binário, e, nesta dialética de opostos, extraímos informações sobre a vida, o tempo, o espaço, a nossa identidade, quase tudo aquilo que podemos perceber pelos nossos sentidos cartesianos; MAS (sempre tem um porém amigos) existem coisas que estão para além da nossa percepção dualística, maniqueísta, binária, dialética, paradoxal…

NOMES AOS BOIS!

No fim, independente de qualquer nomenclatura, religiões, temáticas, culturas, vocês vão encontrar o Amor.

Agora, o Amor galera é doido. Sim, o Amor é maior loucura de todas, pois nós não conseguimos sozinhos, encarnados, com a percepção limitada pelo código binário no qual estamos inseridos, compreendê-lo.  Há de se transcender a dualidade para compreendê-lo.
O que eu quero dizer é que nós não iremos encontrar a perfeição do Amor inseridos nesta realidade dual. Nós o encontramos na percepção transcendente. Na prática eu não serei perfeito sob a égide do Amor, somente saberia o caminho a ser trilhado a todo momento.
Pois nesta realidade onde para se compreender o branco nós temos que ter o preto; para compreender a vida temos de enfrentar a morte; para o tudo, há o nada; pra luz, a sombra -  para compreender o Amor precisamos também conhecer o ódio.
Se eu lhes dissesse, galera – Amor e Ódio são a mesma coisa – lhes pergunto: seriam vocês capazes de compreender?
Se eu lhes dissesse, ó galera – O AMOR não pode ser compreendido racionalmente, pelos nossos 5 sentidos, ou de maneira cartesiana, não -  somente podemos sentí-lo de forma abstrata…

Como compreender isso na prática se na prática nós somos seres inseridos numa realidade que só pode ser real se for construída na lógica dinâmica da dialética entre os opostos?!

Á, mas é por isso que cê está encarnadim meu caro! Aprendendo a Amar o Verdadeiro Amor…

Só que não acaba por ai. Mesmo quando nós começamos a sentir a vibe do Amor, o processo é lento e louco, e se desenrola da mesma maneira paradoxal da dialética maniqueísta humana. E ai nós, encarnados no Planeta Terra, continuamos nossa busca humana pelo Amor, tentando encontrá-lo em todas as coisas.

A princípio, em dias coloridos, nós o vemos por tudo! Mas…

E NOS DIAS CINZENTOS? Aonde encontrá-lo?

MAS -  E NOS RELACIONAMENTOS? CADÊ O AMOR? Afinal de contas, eu ainda não sou auto-suficiente, talvez nunca o seja, preciso COMPARTILHAR! 
[(?) Preciso ou simplesmente quero?]




Talvez galera, em algum momento, vocês percebam que toda essa história de relacionamentos se desenrola dentro de cada um de nós…



E QUANDO EU PERCEBO QUE A PAZ NÃO ESTÁ INTEGRALMENTE DENTRO DE MIM MESMO SOB A ÉGIDE DO AMOR?
Well…

RELACIONAMENTOS

Aqui nós temos uma puta confusão. Percebam que nós precisamos, antes de mais nada, saber formar pessoas, NÃO MÁQUINAS HUMANAS PARA SERVIR AS ENGRENAGENS DESTE SISTEMA PODRE!

E nós não nos preocupamos com a complexidade da psiqué humana galera. Não nos preocupamos com a instabilidade emocional dos nossos irmãos hoje, nem com a das nossas crianças (quiçá, muito menos com a das nossas crianças, do contrário não teríamos tantos exemplos do desserviço humano nesta nossa insana contemporaneidade).  
Nós temos mão de obra, temos técnicos, temos empreendedores, temos cientistas, médicos, advogados, engenheiros, soldados, governantes…

Todos esses são na sua maioria razoáveis, ou mediocres mesmo – dentro da sua classe profissional eu digo…
Temos alguns bons profissionais, sim, também temos, poucos, mas temos…

Mas e pessoas? Temos na grande maioria profissionais muito mal formados como pessoas.

Como eu posso ser um bom advogado se eu não sou uma boa pessoa??

Isso me parece tão óbvio porra.

- O que acontece?

- O que acontece são os nossos relacionamentos, galera. A nossa sociedade vive numa intrincada e complexa teia de projeções psicanalíticas. Projeções por todos os lados, angústias, frustrações, agonias, mágoas, tristeza, raiva e ódio permeiam esse pesadelo babilônico.

Precisaríamos nós de um punhado de psicanalistas, sociólogos, filósofos, psicólogos, terapêutas, médicos xamãns, e magos e extra terrestres para curar esta nação doente?


- Sei lá cara. Eu boto fé na micro revolução. A minha maior luta ocorre dentro de mim.

A SOMBRA

E eu insisto em botar fé em várias coisas. Uma delas é o Amor - Tudo OK.
Mas e compartilhar o Amor? Sim os relacionamentos! Percebam – em todas as esferas! Dos seres aos minerais, nada foge da criação…

            - Como vão os seus relacionamentos amigos?
-Mamãe, Papai, Filhinhos (COMEÇA POR AQUI)?
-Mano, maninha, manos e minas?
-Vózinha Vozão?
-Crianças e adultos?
-Pobres, ricos?
-Católicos, Evangélicos, Muçulmanos,  Maçons, Rosacruzes, Ateus e Protestantes?
-Negros, Índios, Orientais,  Arianos Ocidentais?
-Capitalistas, Comunistas, Sensacionalistas e Conspiradores?
-COM OS ANIMAIZINHOS, FLORZINHAS, ÁGUAS E TODA NATUREZA, nossa GAIA MÃE??????
-Com a tua comunidade, com a tua sociedade, e as cobranças sociais sobre a tua pessoa?
-Com a tua mulher meu caro? Com teu homem minha cara?
-BROTHER E TU CONTIGO MESMO?
Beleza, todos são muitos importantes.

MAS, o que mais acontece é o seguinte…
Temos humanos que são muitos mal orientados no seu desenvolvimento como PESSOAS. Se não for o caso de não haver orientação alguma, ou ainda, muitos casos de pessoas que são completamente desorientadas pelas fatalidades do nosso sistema segregacionista. Aqui mesmo no Brasa galera, temos o sistema e suas marginais né… Aqui rola um Apartheid chamado FAVELA…

Bem, muitas dessas pessoinhas são pais e mães, que criam filhinhos como a própria cara de manga esgualepada, esmilinguida… (determinismo)
Nascem várias criancinhas desorientadas neste sistema excessivamente caótico. É, e essas criancinhas crescem. Sim, elas crescem e dai sabe o que acontece? Á é, não me diga Yam, elas se relacionam né? É...

E ai vem a segunda coisa que eu boto fé. Se o Amor é como eu sinto, e como dizem os mais sábios, ele deve estar em todos os lugares. Até no ódio eu disse que há Amor, então ele TEM QUE ESTAR EM TUDO!
E ai eu boto fé nas PESSOAS, pois o Amor tem que estar nelas também.

E eu quero que esteja nelas, pois eu também quero receber Amor, e compartilhar o Amor com meu irmãos.

Eu boto fé em várias pessoas. As que eu mais boto fé são as que eu mais AMO.

Mas, se o meu mundo interior não estiver fluindo de acordo com o Amor isso vai se manifestar nos meus relacionamentos e nos de vocês…

Eu botei fé em uma mina, e mais uma, mais uma e mais uma….
Talvez nenhuma delas tenha botado fé em mim. Ou talvez eu ainda não tenha botado tanta fé em mim, no Amor que eu sinto e ainda não consegui alguém que quisesse compartilhar dessa sensação ilimitada comigo; pois é que eu realmente quero ver até aonde eu posso levar, ou elevar essa sensação… só sei que é compartilhando com meus irmãos.
(Dentro da nossa realidade dual galera, nós temos gêneros.  Na minha opinião, a melhor maneira e mais intensa de compartilhar o Amor é entre gêneros, por isso eu busco a sensação mais elevada da experiência de compartilhar o Amor em uma mulher.)

E assim é com muitos de nós.
Galera, as pessoas vão nos frustrar diversas vezes, não é por mal, é a caminhada evolutiva de cada uma delas…
Não alimentem monstros dentro de vocês por relacionamentos frustrados.
Não projetem suas frustrações nas outras pessoas.
Assumam a sua responsabilidade e tentem resolver suas feridas dentro de vocês.
O resultado sera um novo você, melhor, mais forte, mais magnético aos olhos de todos nós!!!

Sobre o AMOR galera, gostaria de finalizar assim –

O AMOR é a LOUCURA MAIS LOUCA que eu já pude experimentar pois – ele não lhe garante nada a não ser INTENSIDADE!


Heheheheheeh AHOW AMO VOCÊS MESMO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário